Inbound MKT e o “Do it Yourself”

O Outbound Marketing foi uma opção segura para os empreendedores durante bom tempo. Voltado para a publicidade, caro e até certo ponto, eficiente. No entanto, o mundo foi mudando pelas mãos da tecnologia, de forma que a mudança em si é parte do marketing digital hoje. Nos últimos anos, o MKT Digital tem atraído empreendedores por custar 60% a menos do que o MKT Tradicional. Na era da informação, atender às necessidades do público tem a ver com alimentar os mesmos com conteúdo relevante. Fazer MKT envolve vender uma versão melhor para o seu público deles mesmos. Mas some a isso, no fim das contas, que a diferenciação através dos valores e atributos, sempre será parte do jogo. Não só acompanhar a tecnologia é importante nessa área, como também entender de métricas e um pouco de programação. O profissional do marketing hoje é multidisciplinar, algo que as cadeiras de faculdades ainda não acompanham. Kotler disse recentemente, que o profissional da área tem que ser um pouco jornalista para poder entregar conteúdo objetivo com valor. Assim como em serviços, o MKT Digital também tem 8 P’s: Pesquisa, Planejamento, Produção, Publicação, Promoção, Propagação, Personalização e Precisão. O MKT Digital é menos difícil de mensurar quanto parece, mas é preciso um plano definido e um processo, o que inclui o objetivo e as métricas a serem analisadas. Profissionais que documentam um plano de MKT Digital tem mais 60% mais sucesso do que aqueles que não o fazem. O Branding da sua marca ganha mais força nas mãos de um analista de mídias sociais, um influenciador de alcance [...]

O P de pilar do MKT

O marketing é a área da administração que visa atender às necessidades do público para aumentar as vendas. Temos hoje uma infinidade de dimensões na hora de falar do assunto. Existem escopos diferentes de planejamento, diferentes tipos de marketing, diversas características de marcas, setores da economia e tipos de produtos. No início, lá no tempo do seu T Ford, o marketing 1.0 era orientado para o produto e seus custos unitários. Com o tempo, isso foi mudando (lá para os anos 60), o MKT 2.0 (não confundir com WEB 2.0!) começou a ter o foco no cliente. Hoje presenciamos a era do MKT 3.0 junto com a WEB 3.0, centrado no ser humano: responsabilidade social, ética, representatividade, clientes em rede empoderados em tempo real: um verdadeiro inferno para as marcas (por isso, a figura do gestor de crises), que agora tem de se virar para atender em seus períodos de crises, uma configuração de muitas marcas para todas as pessoas. Louis Vitton, Harley Davidson, Natura e Apple não vendem bolsa, motos, sabonetes e smartphones, mas respectivamente luxo, rebeldia, bemestar e inovação. Souberam encantar os clientes na hora de oferecer um produto ou um serviço. Agregar valores, benefícios, atributos e peronailidade. É isso. No fim das contas, o marketing é sobre vender as pessoas uma versão melhor delas próprias. Possuir visão e missão bem definidas é importante [...]